LOGO-LDA-PNG.png

REGULAMENTO TÉCNICO FORÇA LIVRE   


  ARTIGO 1:  VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS

ARTIGO 2:  CATEGORIAS

ARTIGO 3:  IDENTIFICAÇÃO

ARTIGO 4:  CARROCERIA E DIMENSÕES

ARTIGO 5:  PESO

ARTIGO 6:  MOTOR

ARTIGO 7:  TRANSMISSÃO PARA AS RODAS

ARTIGO 8:  SUSPENSÃO

ARTIGO 9:   FREIOS

ARTIGO 10: SISTEMA DE DIREÇÃO

ARTIGO 11: RODAS E PNEUS

ARTIGO 12: COMBUSTÍVEL

ARTIGO 13: LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO

ARTIGO 14: SISTEMA ELÉTRICO

ARTIGO 15: TELEMETRIA

ARTIGO 16: EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

ARTIGO 17: ESTRUTURA DE SEGURANÇA

ARTIGO 18: CONSIDERAÇÕES GERAIS 


ARTIGO 1– VEICULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS

 

1- VEICULOS PERMITIDOS Serão aceitos na Categoria Força Livre, todos os veículos de competição que se enquadrem no presente Regulamento Técnico.  Não serão aceitos veículos tipo: Fórmula, Auto Cross, Gaiolas, Buggies, Vans, etc.  Serão admitidos veículos sem capota, desde que rigorosamente de acordo com todos os itens de segurança (Santo Antônio de 6 (seis) pontos, etc.) constantes do Anexo "J" da Federação Internacional de Automobilismo (F.I.A).  Todos os veículos deverão estar de acordo com os artigos e parágrafos do Anexo "J" emitido pelo anuário da F.I.A. e seus boletins.  Modificações permitidas somente poderão ser feitas modificações que estão expressamente escritas neste presente regulamento.  Todas as modificações que não são expressamente permitidas pelo presente regulamento são proibidas.  
  
ARTIGO 2 - DAS CATEGORIAS.  

As sub-categorias Força Livre LDA serão as seguintes: 
 
TURISMO A e B,  PROTÓTIPO A e B 
 
TURISMO A​.  Até 2000cm³.  VEÍCULOS ADMITIDOS: ​Serão admitidos veículos nacionais ou importados de turismo de grande produção em série, coupe, sedan ou picape, de 2,3,4 ou 5 portas (de dois até cinco lugares), com motores refrigerados a ar ou a água com capacidade do motor de até​ ​2000cm³, de tração dianteira, traseira e/ou 4x4 . 


TURISMO B​. Acima de 2000cm³. VEÍCULOS ADMITIDOS: ​Serão admitidos veículos nacionais ou importados de turismo de grande produção em série, coupe, sedan ou picape, de 2,3,4 ou 5 portas (de dois até cinco lugares), com motores refrigerados a ar ou a água com capacidade do motor acima de ​ ​2000cm³, de tração dianteira, traseira e/ou 4x4 . 


PROTÓTIPO A​. acima de 2000cm³. VEÍCULOS ADMITIDOS​: Serão admitidos veículos sport protótipos de tração e motorização livre. 
 
PROTÓTIPO B​. até 2000cm³. VEÍCULOS ADMITIDOS​: Serão admitidos veículos sport protótipos de tração e motorização livre. 
 
ARTIGO 3 – IDENTIFICAÇÃO 
 
3.1 – IDENTIFICAÇÃO A identificação deverá ser aplicada no pára-brisa, no vidro traseiro e no teto (turismo), ou lateral e capo dianteiro (protótipo), de cada veículo. 
 
ARTIGO 4 - CARROCERIAS E DIMENSÕES  
 
4.1 – CARROCERIA; 
  
Categoria Turismo É Obrigatório o uso de para-brisa laminado, de policarbonato ou lexan (mínimo de 4mm). Os demais vidros poderão ser substituídos por placas de policarbonato ou lexan com no mínimo 2 mm de espessura desde que nos mesmos formatos dos originais, e fixados de forma segura.  É obrigatória a retirada do vidro da porta do piloto e sua substituição por uma rede de proteção homologada, ou fechamento com policarbonato ou lexan.  A janela traseira (vigia) poderá receber furos para a saída de ar.  É permitida a retirada de todos os sistemas de levantamento dos vidros.  É permitido agregar material (solda) para fixar as portas traseiras ao monobloco.  Permitido o uso de para-choques, modelos de competição. É permitido, contudo, recortar a parte em frente ao radiador de água no para-choque dianteiro, com único objetivo de melhorar o arrefecimento do motor.  É permitido recortar a máscara dos faróis, com único objetivo de melhorar o arrefecimento do motor. Quando feito este recorte, obrigatório o fechamento por uma tela metálica ou plástica.  É permitido instalar suportes adicionais no para-brisa dianteiro e traseiro, porém sem efeito aerodinâmico.  É obrigatório remover o revestimento antirruído.  Para todos os modelos e com o único objetivo de redução de peso, é permitido substituir a porta dianteira direita, tampa traseira e capo, por similares em fibra de vidro, ou a retirada das estruturas internas destas peças, desde que mantenham as características da peça original.  É permitido o recorte interno das portas. 
 
Categoria Protótipo; Permitida alteração do assoalho do veículo com utilização de tubos atendendo o disposto no anexo “J” FIA.  As alterações devem atender os itens de segurança, estas alterações ficam sujeitas à vistoria técnica  prévia feitas pela LDA. Veículos que não atendam estes quesitos serão impedidos de participar das provas.  Os carros poderão sofrer alteração em seus componentes de suspensão e freios.  Permitido câmbio sequencial.  Permitido alterar o posicionamento do motor . A posição do banco do piloto poderá ser alterada. As tubulações de combustível e demais líquidos que porventura passem internamente no cockpit do carro devem ser protegidas por chapa corta fogo devidamente fixada ao assoalho do carro.  As longarinas dianteiras, até a coluna B, deverão permanecer inalteradas. 
 
4.2 – MATERIAIS INFLAMÁVEIS  

Obrigatória a retirada dos bancos, laterais internas de papelão, forrações acústicas e demais materiais inflamáveis.  
 
4.3 – PARALAMAS  Permitido rebater, cortar ou retirar/adicionar material das abas dos para-lamas desde que os mesmos mantenham suas formas originais ou similares e os pneus não ultrapassem seus limites.  
  
4.4 – ESPELHOS RETROVISORES  Obrigatório o uso dos espelhos retrovisores, interno e externo esquerdo e direito, sendo liberado o uso de qualquer marca e modelo. 
 
4.5 – TRAVA DO CAPÔ  Obrigatória a instalação de duas travas de segurança no capô dianteiro assim como na tampa/porta traseira.  
 
4.6 – FARÓIS  Obrigatório que as lanternas e os faróis, quando existentes, sejam protegidos com adesivo tipo transparente. 
 
4.7 – GANCHOS DE REBOQUE  Obrigatório a colocação de gancho de reboque na dianteira e na traseira do veículo, solidamente fixado com no mínimo dois parafusos de 8 mm.  Este gancho deverá ser metálico de diâmetro mínimo 6,3 mm, identificado com cor contrastante com a cor do veículo para facilitar a localização.  
 
ARTIGO 5 – PESO  
 
5.1 - SUBSTITIÇÃO DE MATERIAIS  Nos veículos originalmente fabricados em chapa de aço, elementos como portas, capô e tampa traseira poderão ser substituídas por peças fabricadas em fibra de vidro, devendo-se manter o mesmo formato e tamanho das peças originais.  
 
ARTIGO 6 – MOTOR

Livre de marca e procedência, obedecendo a cilindrada de cada subcategoria. 
 
6.1 – ESCAPAMENTO   É permitido o uso de qualquer tipo de escapamento.  É obrigatória a utilização de abafador no escapamento sempre que o motor for acionado no interior dos boxes.  
  
ARTIGO 7 – TRANSMISSÃO PARA AS RODAS   
7.1 – CAIXA  DE CÂMBIO Livre sua marca e procedência. 
 
7.2– DIFERENCIAL São permitidas relações de engrenagens livres.  É vedado o uso de controle eletrônico de tração.  É permitido o uso de blocante. É permitido o uso de tomadas de ar para ventilação do diferencial.  
 
7.3- EMBREAGEM  Livre sua marca, modelo e procedência. 
 
ARTIGO 8 – SUSPENSÃO;  

TURISMO​ -  Deverá manter seus pontos de fixação originais de fábrica. PROTÓTIPO​ -  Livre. 


 8.1 – AMORTECEDORES E MOLAS  Livre seu trabalho e carga; 
 
ARTIGO 9 – SISTEMA DE FREIOS  
 
9.1 – FREIOS  Os circuitos, obrigatoriamente, devem ser independentes.  O sistema de freios, dianteiro e traseiro a disco ou a tambor, é livre. São permitidos freios importados,  Proibido sistemas completamente independentes que adotem dois cilindros mestres.  Permitido o uso de válvula reguladora de pressão.  É permitido o uso de tomadas de ar para ventilação dos freios dianteiros e traseiros. 
 
9.3 –  FREIO  DE ESTACIONAMENTO O sistema de freio de estacionamento (freio de mão) poderá ser retirado sendo opcional o seu uso.  
 
ARTIGO 10 - SISTEMA DE DIREÇÃO  Livre. 10.2 – VOLANTE  Permitida a utilização de volante de direção esportiva, exceto de madeira.  Permitida também a colocação de cubo estriado de remoção rápida.​   
 
ARTIGO 11 - RODAS E PNEUS

11.1 – RODAS Livre.  
 
11.2 – PNEUS É expressamente proibido o uso de pneus riscados, recapados ou remoldados. Os pneus devem estar em bom estado e dentro do prazo de validade.  

 

ARTIGO 12 – COMBUSTÍVEL

Obrigatório o abastecimento no  autódromo, local determinado pelo adendo de prova. 
 
12.1 – REABASTECIMENTO  É proibido o reabastecimento no grid.  
 
12.2 – TANQUE  DE COMBUSTÍVEL  Quando dentro do habitáculo deverá ser de metal ou de borracha, estando proibido o uso de tanque de qualquer tipo de fibra ou plástico. Quando externo, fica  liberado a utilização de tanque de plástico original do modelo. Pode ser fixado próximo ao local original desde que esteja em local seguro. É autorizado o reposicionamento desde que seja colocado ou mantido uma parede corta fogo. 


 12.3 – TUBULAÇÃO  DE COMBUSTIVEL ​É permitida a substituição da canalização original de combustível por outra de qualquer diâmetro a qual, no entanto, não poderá passar por dentro do habitáculo, de acordo com o anexo- J da FIA. 
 
12.4 – BOMBA E FILTRO DE COMBUSTÍVEL É permitido o uso uma ou mais bombas de combustível que deverão ser posicionadas fora do habitáculo do veículo.  

 

ARTIGO 13 - LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO 
 
13. 1– RESERVATÓRIO PARA RESPIRO  Obrigatória a colocação de um reservatório translúcido de no mínimo 2 (dois) litros para os respiros do motor e transmissão do lado oposto ao coletor de escapamento. 
 
13.2- RADIADOR Permitido o uso de radiador de óleo extra, com capacidade livre 
 

 Permitido o aumento ou a troca do radiador de água. Capacidade livre. 
 
13.3 – MANGUEIRAS De óleo ou água pelo interior do veículo, dentro do túnel ou por baixo do veículo, porém sem emendas e bem fixadas e encapadas​.      

 

 ARTIGO 14 - SISTEMA ELÉTRICO  

14.1 – BATERIA  Permitido o uso de chumbo ácido, com capacidade de 12 volts de qualquer marca, tipo selada. 
 
14.2 – LUZES DE FREIO Obrigatório o uso de 2 (dois) pontos de lâmpadas de freio com capacidade de 21 watts, que ao final da prova deverão estar em perfeito funcionamento. Vide disposto no artigo 13​,​ parágrafo 13.2 do Regulamento Desportivo Geral.  Permitida a instalação de mais 2 (dois) pontos de lâmpadas na parte interna do habitáculo voltada para a parte traseira do veículo.

 

ARTIGO 15 - EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA  

15.1 – BANCO  DO PILOTO Obrigatória a instalação de um banco para piloto, homologado pela FIA /LDA. Somente será permitido o uso de trilhos conforme anexo ¨J¨ (Art. 253) vigente ao anuário da FIA. 
 
15.2 – EXTINTOR DE INCÊNDIO  Obrigatória a colocação dentro do habitáculo do veículo de no mínimo 1 (um) extintor de incêndio de 4 kg (quatro quilos) de pó químico fixado na posição vertical.

 15.3 –  CINTO DE SEGURANÇA  Obrigatória a instalação de cinto de segurança homologado FIA / LDA, com medidas de 75 mm de largura, com no mínimo 4 (quatro) pontos com fixação.  Fixação conforme Anexo ¨J¨ (Art. 253 desenho 61) da FIA. 
 
15.4 –  CHAVE GERAL E ALÇA DO EXTINTOR  
 

 Obrigatória a utilização de uma chave geral e alça do extintor interno e externamente segundo o anexo "J" da FIA. Internamente a chave geral e alça do extintor deverão estar ao alcance do piloto sentado e com o cinto de segurança afivelado.  O corta-circuitos geral tem de desligar todos os circuitos elétricos (bateria, alternador ou dínamo, luzes, ignição, acessórios elétricos, etc.) e terá igualmente parar o motor. Tem de ser de modelo antideflagrante e terá de ser manobrável quer do interior quer do exterior da viatura. No que respeita ao exterior, o comando do corta-circuitos estará obrigatoriamente no sopé de um dos montantes do pára-brisas, para os automóveis fechados. Tem de estar visivelmente assinalado por meio de um raio vermelho colocado num triângulo azul debruado a branco com, pelo menos, 12 cm de base. Este comando exterior só diz respeito às viaturas fechadas. 
 
15.5 -  TELA DE PROTEÇÃO  Obrigatório o uso de tela de proteção na porta do piloto ou placa de policarbonato, cobrindo no mínimo 45% da área da janela.  
 
ARTIGO 16 - ESTRUTURA DE SEGURANÇA (Santo Antônio)  
 
16.1 – ARCO DE SEGURANÇA  Obrigatório o uso de arco de segurança conforme Anexo ―J da FIA, conforme desenho 253.  É permitido soldar o arco de segurança na carroceria do veículo com adição de material, mas é obrigatório que além da solda, os apoios principais do arco de segurança no chassi sejam fixados por meio de no mínimo 4 (quatro) parafusos de 8 mm. de diâmetro em cada apoio, arruelas, porcas e contra–porcas. Obrigatório que o arco de segurança seja apoiado no chassi no mínimo por 4 (quatro) pontos.  Os tubos do arco de segurança também deverão ser de aço carbono, estirados a frio com 38 mm de diâmetro externo e 2, 5 mm de espessura. 
 
ARTIGO 17 – TELEMETRIA  Livre. 
 
ARTIGO 18 - CONSIDERAÇÕES GERAIS 

 18.1 - Os casos omissos serão resolvidos de acordo com tradução do anexo ―J da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), publicado pelo Conselho Técnico Desportivo Nacional e da Liga Desportiva de Automobilismo.  Eventuais alterações específicas poderão ser aplicadas na busca de equiparação de desempenho entre os veículos participantes. 
 
  
ESTE  ADENDO FOI APROVADO PELO  CTDA  (Conselho Técnico Desportivo  do Automobilismo)​   ​

LIGA DESPORTIVA DE AUTOMOBILISMO  
 
 
PRESIDENTE DA LDA -  ERNESTO ALBERTO DE COSTA E SILVA                   CONSELHEIRO – CARLOS RIBEIRO 
 
 
 
SÃO PAULO,  20  DE  MAIO  DE 201